20 mentiras de como criar bem os pets

Publicado em 22 de setembro de 2017 por Mundo Animal


Tagged , , , , , , , ,

1 – Eles ficam mal se deixados sozinhos

Se os pets tiverem uma rotina em que haja um tempo de qualidade com você, além da prática de exercícios físicos, não há por que se preocupar ao sair de casa, pois eles ficarão bem provavelmente usarão o tempo para recarregar as energias e estar ativos na sua volta. Além disso, uma fugida do cronograma (num feriado, por exemplo) com um passeio inesperado ao parque também será muito bem recebida!

2 – Não se despedir pode deixá-los chateados

Ainda que os peludos não entendam as palavras, eles são mestres em interpretar os sinais que os donos dão, principalmente no tom da voz e na postura corporal. Sendo assim, quando você se despede, normalmente há uma expressão de tristeza e os pets entendem isso, o que pode gerar alguns problemas de comportamento relacionados à Síndrome da Ansiedade da Separação. Portanto, não se despedir é, de fato, o melhor para eles e não causa chateações.

3 – É “judiação” fazê-los obedecerem a comandos

Muitas vezes nos sentimos egoístas ao mandar os mascotes para serem adestrados, porém, assim como as crianças, eles precisam de limites e rotina, pois isso os deixa mais seguros. Os especialistas apontam que eles não se sentem melhores ou piores quando são treinados, mas, como o adestramento é visto como uma brincadeira, pode ser ótimo para gastar a energia e estimulá-los mentalmente. Além disso, o bom comportamento implica menos broncas e decepções da sua parte.

4 – Oferecer a eles pedaços da nossa comida não faz mal algum

A cara de “dó” que eles fazem ao verem a gente comendo dá uma sensação de culpa mesmo, mas os animais têm o seu próprio trato digestivo e necessidades nutricionais bem diferentes das nossas. Ainda que alguns alimentos humanos não façam mal aos pets em pequenas porções, dividir a nossa comida pode virar um hábito e prejudicar a saúde deles, deixando-os obesos, por exemplo. Ou seja, o seu “não” só vai fazer bem ao mascote.

5 – Se não der atenção a eles o tempo todo, você não será um tutor consciente

Nada corta mais o coração do que o nosso companheiro de quatro patas pedir atenção quando estamos muito ocupados, mas, como dono, você precisa mostrar a ele que existe hora para tudo, e é por esse motivo que estabelecer uma rotina é tão importante para ambos. Animais domésticos precisam mesmo dos tutores, contudo, um mínimo de independência deve ser sempre estimulado, para não gerar nenhuma ansiedade e fobias.

6 – A castração precoce traz malefícios aos animais

De acordo com os especialistas, a castração precoce oferece vantagens à saúde dos amigões, evitando principalmente tumores. Para dar uma ideia, cadelas castradas antes do primeiro cio têm tanto risco de desenvolver tumores mamários quanto os machos. E muitos estudos apresentados recentemente apontam que não há riscos comprovados da esterilização realizada a partir das primeiras 8 semanas de vida. Além disso, o procedimento é vital para os protetores de animais que lutam contra a superpopulação, saiba mais.

7 – Os mascotes acham que foram abandonados quando você viaja

Os animais não têm a mesma noção de tempo que os humanos, ou seja, dificilmente vão entender quantos dias você ficou fora a carência dos donos costuma ser maior. Dessa forma, contanto que você garanta o bem-estar do animal escolhendo uma pessoa para cuidar dele ou um hotel para deixá-lo (além dos brinquedos e estímulos necessários), ele ficará bem. Mesmo. E vamos combinar que nem todos os animais gostam de nos acompanhar nas desconfortáveis viagens.

8 – Não se deve impedir o latido ou miado em excesso

Quando o pet late ou mia demais, pode indicar alguma doença ou carência de estímulos (falta do que fazer tende a render uma vocalização excessiva). Se o parecer do veterinário é de que o peludo está mais que saudável, e ele, por sua vez, tem uma rotina agradável com brinquedos interativos, não há motivo para estar “falando” tanto, então o problema pode ser você não estabelecer regras! Nas matilhas, é natural os cães dominantes controlarem os comportamentos indesejáveis para criar um grupo unido e estável. Portanto, corrigi-los é bem-vindo.

9 – Nem todos os animais precisam de vacina

Vacina dói um pouco no mascote, não tem como negar se até na gente dá para sentir a picada. Mas é melhor ele sentir um leve incômodo do que ficar doente e ter de passar por tratamentos intensivos. E existem várias enfermidades que podem levá-lo à morte, portanto, vale a pena fazer o animal sentir a picada. E isso se aplica a todos os procedimentos veterinários de rotina.

10 – O Cachorro fica muito enciumado por não ser mais o único bebê da casa

A chegada de um novo membro da família acaba fazendo com que o peludo tenha menos atenção no início. Isso é algo natural e não deve ser motivo de preocupação. Há várias estratégias a adotar para ele não se sentir de lado, como integrá-lo na hora da montagem do quarto do bebê. E o mais importante: seu filho será um ser a mais para dar e receber carinho do animal, o que é motivo de comemoração para ele!

11 – O pet só gosta de passear sem coleira

Você deixaria uma criança de 2 anos andar sozinha por aí? Não! Também não há motivo para passear com o mascote sem estar preso na coleira (de fato, para algumas raças, a guia e a focinheira são obrigatórias dependendo da cidade). O seu companheiro não sabe os muitos perigos das ruas! Então, o único jeito de garantir a sua segurança é sair com ele preso, e isso não vai atrapalhar em nada o passeio, é só tomar fôlego para acompanhar o ritmo dele. E uma dica: dentro de alguns parques, há áreas reservadas aos cachorros.

12 – Os animais têm que dormir quase o dia todo

Ninguém gosta de ser acordado, nem mesmo os pets. E eles ficam fofos demais (e não destroem nada!). Mas animais precisam de atividade física e mental para a manutenção da saúde, portanto, deixá-los dormir demais não é bom negócio. E cabe a você provê-lo de estímulos necessários para o seu bem-estar e assegurar que durma apenas o ideal. E aí vai um segredo: eles saem do sono profundo ao estado de alerta muito rapidamente, então não odeiam acordar tanto quanto a gente…

13 – O Passeio dos cães é obrigatório mesmo em dias muito quentes

Cachorro (e alguns gatos!) adoram passear e ver o mundo, mas se o dia está muito quente e o horário disponível coincide com o pico do sol, o melhor a fazer é deixar o seu amigão em casa. Isso porque eles podem desidratar muito rápido quando sentem muito calor, já que quase não suam. Sem falar que podem queimar as “almofadinhas” da pata. Ficar sem caminhar nessas circunstâncias é a melhor coisa a fazer por eles.

14 – Eles passam fome se não têm comida à vontade

Alguns animais precisam que sua alimentação tenha horários certos e não esteja disponível o tempo todo, para não comerem demais e prevenir problemas como a torção gástrica e obesidade os cachorros de porte maior são os principais afetados. Ou seja, ter um cronograma só traz benefícios a eles. Mas ainda que seu pet seja um gato, que pode comer aos poucos o dia inteiro, é possível usar a comida como um momento de interação e reforço positivo. Um exemplo: alimentar o pet depois de comandos realizados de forma correta, ou mesmo um pouco depois de brincar com ele à noite.

15 – Se eles não gostam e se sujam pouco, o banho não é necessário

A hora do banho é quase sempre um tormento para os peludos, que fazem de tudo para fugir. A escovação não fica atrás: muitos animais detestam o momento de desembaraçar os fios. Cortar as unhas, nem se fala! Mas esses rituais de beleza e higiene fazem parte de uma vida saudável (evitando doenças) e do convívio em sociedade. E há formas de transformar a tortura numa situação agradável, com uso de petiscos e muita conversa e delicadeza.

16 – Não tem por que socializá-los se são tímidos e mais “na deles”

Nem sempre a chegada do pet é como você sonhou: não é incomum apresentar comportamento amedrontado. Vê-lo assustado é péssimo, mas a situação só vai mudar (e não piorar!) se você apresentar outras pessoas e animais para ele, aos poucos, claro. A não ser em casos graves, é bem possível fazer o amigão começar a interagir. Cães vivem em grupos na natureza, portanto, jogue a culpa para lá!

17 – Tirar o acesso à rua é contra a natureza deles

A maioria dos donos de cães já costuma deixá-los sempre protegidos dentro de casa, mas os amantes de gatos muitas vezes se sentem mal de privá-los da liberdade que eles teriam na natureza e não vedam as saídas da residência. Contudo, é preciso lembrar que cachorros e bichanos são animais domésticos há bastante tempo, o que significa que vivem muito mais e melhor conosco. Dentro de casa eles ficam protegidos do clima, de acidentes, de maldades humanas… Invista nos brinquedos estimulantes e viva sem culpa.

18 – Escovar os dentes não é necessário

Com o avanço da medicina veterinária, tomamos conhecimento de que há muito mais a fazer pela saúde deles do que imaginávamos. E uma dessas providências é a escovação dos dentes. Quase ninguém faz, a maioria deles odeia, mas a falta disso acarreta várias doenças periodontais, como o tártaro, que pode atingir até os órgãos vitais. O ideal é acostumar o pet desde filhote, mas, se não for possível, recorra a um pet shop.

19 – O Antipulga só serve para causar desconforto

Antipulga é mal cheiroso, dá trabalho passar e deixa os animais apreensivos, mas é primordial para a boa saúde deles. Além do incômodo de ficar se coçando o tempo todo, os chamados ectoparasitas, como pulgas e carrapatos, podem transmitir doenças para humanos, portanto, não tem desculpa! Se preciso, use o colar elisabetano (aquele cone) e torne o momento divertido retribuindo o animal com petisco.

20 – Não deixá-lo dormir na sua cama é egoísmos e falta de amor

Designar um canto para o amigão dormir e não deixá-lo ocupar a sua cama não faz de você um péssimo tutor, longe disso. Os especialistas acreditam que as regras e separações são importantes para a maturidade dos peludos e para a boa convivência. Além de o ciclo do sono deles ser bem diferente do nosso, isso faz com que eles entendam que você é o líder.


Posts Relacionados: