Cachorro com coceira na orelha é sinal de infecção

Publicado em 11 de setembro de 2017 por Mundo Animal


Tagged , , , , , , , ,

Movimentos repetidos de sacudir a cabeça, acompanhados de coceira intensa, vermelhidão e sensibilidade nas orelhas. Esses sinais são característicos da otite, inflamação causada no conduto auditivo e que acontece com bastante frequência em cães.

Pode parecer simples e sem importância, mas a otite é uma das causas mais recorrentes dos atendimentos em clínicas e hospitais veterinários em todo o país. Esse índice é justificado pelo alto número de casos de retorno em curto espaço de tempo após o primeiro diagnóstico. Isso acontece pois, muitas vezes, o tratamento não é realizado de forma correta, levando à recorrência da doença e até mesmo a resistência bacteriana.

Tipos e parasitas

A otite é causada pela multiplicação descontrolada de parasitas como ácaros, fungos, bactérias (ou fungos e bactérias juntos), que ocorre secundariamente a alguma agressão ao conduto auditivo dos cachorros. Portanto, para desenvolver a doença, o cão precisa ter uma das chamadas causas de base, entre as mais comuns estão a alergia de pele, de contato ou alimentar, a presença de corpos estranhos no local (grama, areia, graveto), reações medicamentosas, coceiras excessivas na região, além de umidade na área.

Quanto pode ser grave

As otites também podem ser classificadas de acordo com a região atingida na orelha: externa, quando acometem apenas o pavilhão auricular; média, quando acometem as estruturas mais internas do ouvido; ou interna, quando há ruptura da membrana timpânica. E é aí que mora o perigo. Se não tratada corretamente, a otite pode atingir as estruturas mais internas do ouvido e resultar em perda da audição e também do equilíbrio do animal. Portanto, a dica da veterinária é sempre realizar o tratamento da doença de forma regrada e até o fim, para evitar que a infecção evolua, criando parasitas ainda mais resistentes ou comprometendo a audição do cachorro.

Atenção aos sinais

Os primeiros sinais da enfermidade costumam ser bem característicos: vermelhidão, dor e coceira excessiva no pavilhão auricular e condutos auditivos. O cão pode apresentar comportamento de sacudir a cabeça ou raspar a orelha num tapete diversas vezes e inclusive chorar ao ser tocado na orelha. A inflamação do conduto ainda pode levar à produção de um cerume excessivo e de cheiro forte peculiar e inconfundível. Em casos mais avançados de otite interna, as alterações também podem ser neurológicas e causar até mesmo perda de audição. Ao notar sensibilidade e vermelhidão no pavilhão auricular, o dono já deve levar o animal para uma consulta com veterinário para avaliação e, se precisar, iniciar o tratamento.

As raças mais propicias a ter otite

Apesar de ocorrer em cães e felinos, a otite afeta mais os cachorros devido à anatomia de suas orelhas, que podem ser longas e pendulares, além de seu conduto auditivo ser mais estreito e com pelos internos. Raças como Cocker Spaniel e Basset Hound, por exemplo, possuem orelhas longas que ficam mais “abafadas” e, por isso, têm maior predisposição para a umidade. Essas características compõem um ambiente ideal para o crescimento dos parasitas.

Já o Yorkshire, o Maltês, o Poodle, o Shih-Tzu e o Lhasa Apso são raças que, frequentemente, apresentam alergias de pele, que provocam, como consequência, a otite. É importante ressaltar que não somente os cães de orelhas grandes e pendulares ou aqueles que têm alergias são acometidos pela doença. Qualquer cão ou gato que não receba os cuidados de higiene e limpeza constante pode ter problemas.

Tratamento para infecção no ouvido

O tratamento vai variar de acordo com a gravidade e o tipo de otite. No geral, é realizado por meio da aplicação de medicações de uso tópico nos ouvidos. Mas, antes, deve-se estabelecer a causa da otite para iniciar o tratamento adequado. Cada tipo da enfermidade e cada caso deve ser tratado de forma diferente, por isso, o veterinário fará um exame detalhado do conduto do animal para identificar o microrganismo (bactéria, fungos, ácaros) que está causando a doença e então indicar o tratamento. Dessa forma, é muito importante sempre levar ao veterinário logo no início do quadro, para que sejam realizados os exames certos e prescrito o tratamento mais específico para o caso. Nas otites secundárias à dermatite alérgica, é fundamental que a alergia do animal seja tratada, já que somente a medicação para curar a otite terá pouco efeito final no quadro. Todo tratamento envolve primeiramente o procedimento de limpeza do conduto, que serve para retirar o excesso de secreção e permitir a entrada do produto que realmente vai combater a infecção. Muitas otites são supurativas, ou seja, contêm grande quantidade de secreção, podendo até ter pontos de ruptura do conduto externo para o interno. Devido a esse risco, não recomendo que o responsável pelo animal trate o problema por conta própria, pois pode piorar o quadro na tentativa de limpar o conduto, que é muito profundo.

Como previnir a infecção no ouvido

Prevenir a otite é fácil e pode ser realizado em casa. Para isso, é recomendada a limpeza semanal do conduto auditivo. Outra dica é evitar deixar que entre água nos ouvidos do cão durante o banho, caso aconteça, seque bem a região para eliminar umidade.

Também é essencial não permitir que os pelos do conduto auditivo sejam arrancados durante a tosa, pois eles funcionam como proteção.


Posts Relacionados: