Como acalmar cachorro bravo

Publicado em 29 de agosto de 2017 por Mundo Animal


Tagged , , ,

Cães agressivos podem se transformar, ao contrário do que muitos pensam. Para isso, é necessário compreender as razões para o aparecimento do comportamento e trabalhar, com muita persistência, cada uma delas.  A maioria dos casos de agressividade tem solução. Respeito e carinho são as bases para a educação do animal.

O que pode levar o cachorro a desenvolver uma postura agressiva?

Entre os principais fatores que levam um cachorro a manifestar agressividade está a falta de socialização. É indicado que desde filhote ele receba esse tipo de estímulo, especialmente durante os três primeiros meses de vida. Ou seja, deve ser apresentado aos poucos a pessoas e animais diferentes. Se isso não acontecer, o pet não se acostumará com a presença de outros seres, o que resultará em futuros conflitos quando estiver acompanhado.

A carência de estímulos é mais um motivo que contribui para a conduta violenta. Cães bravos muitas vezes acabam canalizando a falta de atividade física e mental para agressividade. Outro erro que pode desencadear o mau comportamento é dar excesso de liberdade ao mascote. Deixar que o cachorro deite no sofá o tempo todo, por exemplo, faz com que ele não entenda quais espaços são dele e quais são dos humanos, o que tende a gerar agressividade. Isso pode levá-lo a acreditar que os humanos estão invadindo seu espaço (e não o contrário, como deveria ser). Quando um cão cresce sem limites, em 90% dos casos torna-se agressivo.

Saúde e genética

O mascote também pode se mostrar agressivo se estiver com algum incômodo ou até mesmo com problemas neurológicos. Por isso, recomenda-se consultar um veterinário para que sejam feitos exames que verifiquem se o problema vai além do comportamental. Caso essas possibilidades sejam descartadas, é hora de investir no treino para acalmar o bicho de estimação. Vale ressaltar que não existe nenhuma raça predisposta à agressividade, ao contrário do que se pensa. O que pode acontecer é a influência genética resultante de cruzamentos imprudentes.

Como treinar um cachorro agressivo

Para dar início ao tratamento do cão agressivo, o tutor deve promover algumas mudanças de postura. Certas atitudes fazem com que o pet não veja o dono como um líder, o que contribui para a desobediência. Um exemplo é em relação à escolha das brincadeiras.

São comuns os casos de agressividade lúdica, ou seja, aquela que surge a partir de hábitos e brincadeiras inadequadas, como o popular cabo de guerra. Nesse ‘jogo’, geralmente é o cão que ganha a disputa. Isso é ruim, pois o animal deve enxergar o tutor como um líder e não como um membro submisso. Para acertar, você pode optar por atividades sem competição e apostar também em acessórios para o cachorro se divertir sozinho, como comedouros-brinquedos e mordedores, e disponibilizá-los aos poucos. É importante não oferecer todos de uma vez ao cachorro para que ele não enjoe e esteja sempre brincando no tempo livre. Isso o faz se sentir estimulado e afasta o tédio. Ações essenciais para evitar a agressividade.

Outro hábito que ajuda é manter uma rotina alimentar, oferecendo porções de ração ao longo do dia. Regrar a alimentação do seu cachorro faz com que ele veja que depende de você para se alimentar. Na natureza esse é o papel do líder: caçar e alimentar a sua matilha. Também é necessário impor limites e repreender o pet quando se exceder, justamente para prevenir que tenha liberdade em excesso. Muitas pessoas acham graça ao ver um filhote mordendo a barra da calça, rosnando para alguém que tente mexer na sua ração, latindo para chamar a atenção ou destruindo móveis e não mudam esse comportamento.

Acontece bastante de cães pequenos rosnarem se alguém tenta passar a mão quando estão no colo do dono, e ele, em vez de corrigi-los, ainda faz carinho.” Portanto, o certo é, em momentos como esses, não recompensar o animal (o carinhoé visto como prêmio). Caso contrário, ele associará atitudes assim como coisas positivas.

Alguns comandos básicos de adestramento, como “não” e “fica”, podem colaborar na tarefa da repreensão (Veja em Como adestrar seu cão).Porém, antes de partir para o treino, é preciso se preparar para uma aproximação segura e tranquila.

Como se aproximar

Por não se sentirem seguros em manter o animal agressivo solto no mesmo ambiente que o restante da família, muitos donos acabam optando por deixá-lo recluso. No entanto, a exclusão do mascote não resolve o problema da agressividade. Deixar um cachorro confinado é péssimo para a saúde mental e psicológica dele. O primeiro passo é tentar se aproximar do pet. O cachorro precisa estar, de preferência, em um lugar seguro, como atrás de um portão. Para chegar perto, use coisas que ele aceite, como petiscos ou brinquedos. Quando estiver tranquilo, sem rosnar, avançar ou latir, reforce o bom comportamento jogando um snack. Já se ele rosnar, se afaste e depois tente se aproximar de novo quando ele estiver mais calmo. Lembrando que, se for entrar no local onde o animal fica, faça com que ele perceba a sua presença. O cachorro morde quando se assusta, por isso, o tutor deve se aproximar chamando a atenção do cão. Depois que o mascote começar a aceitar a sua presença, o próximo passo é aumentar a socialização mantendo-o no mesmo cômodo que outras pessoas, mas preso a uma guia. Deixá-lo na guia enquanto fazemos as refeições, assistimos TV ou lemos um livro não é maltratar, pelo contrário, faz com que o animal fique bem próximo de nós e interaja com os membros da família de uma forma muito similar à que adotaria com sua matilha.


Posts Relacionados: